quarta-feira, 30 de março de 2011

O Campeão de Formula 1 Sebastian Vettel, revela que queria ser Michael Jackson, mas que não sabia cantar

O campeão mundial de Fórmula 1 Sebastian Vettel, lembrou a importância de três "Michaels" na sua vida: Schumacher, Jordan e Jackson. Ele deu uma entrevista exclusiva para a repórter Mariana Becker.




O campeão mundial de Fórmula 1 Sebastian Vettel, vencedor da primeira etapa da temporada, na Austrália, está no auge de carreira aos 23 anos. Marcar entrevista exclusiva com ele é muito difícil e, quando se consegue, é preciso respeitar algumas regras, como fez a repórter Mariana Becker.
O homem entrevistado pelos jornalistas do mundo inteiro é o piloto a ser batido pelos adversários. O jeito de menino e o sucesso estrondoso o transformaram rapidamente em um ícone.
O assédio a Sebastian Vettel é tanto que, quando conseguimos marcar uma entrevista, recebemos um vídeo da equipe com o campeão mundial respondendo às perguntas mais feitas a ele e uma recomendação expressa da assessoria de imprensa: “por favor, não repitam estas perguntas”.

No vídeo, ele diz que a vida não mudou muito depois do título, que ainda gosta de ficar com a família e com os amigos, e que, este ano, tudo começa de novo do zero. Para ele, ser campeão não ajuda.
O que não estava gravado e Vettel contou para nós é que é fã de futebol e sabe que o brasileiro Caio joga no seu time, o Eintracht Frankfurt.

Vettel diz que não saber por que conquistou tudo tão jovem. Para ele, a idade é só um número e compara: “se você perguntar a Rubinho se ele é velho, ele vai dizer que não, porque ainda ama o que faz”. Aos 38 anos, Rubinho é o recordista de grandes prêmios na Fórmula 1: 307.
O campeão também lembrou a importância de três "Michaels" na sua vida. “Schumacher, porque é um ídolo na Alemanha, sempre o admirei. Jordan, porque eu jogava basquete, mas logo vi que não era bom e nem era alto o suficiente. E finalmente Jackson. Queria ser como ele, mas eu não era bom dançarino e também não sabia cantar”.
Michael Jackson não deu para ser, mas um sonho de criança ele conseguiu realizar. Ele e várias crianças. Felipe, Rubinho, Fernando, Nico, Mark, Lewis, Jenson, Michael: gente que você vai ver inspirando outras crianças e adultos, durante a temporada.

Confira o Video Aqui !


domingo, 27 de março de 2011

Palavras de um Rei





• "Ninguem pode dizer com certeza, quanto tempo demora o processo criativo,é criado em outro espaço,trabalho de DEUS, não meu. Michael Jackson

• “Para mim a pior coisa do mundo é decepcionar meus fãs”

• “Meu pai foi um assessor brilhante, mas o que eu realmente queria era um pai”.

• “Eu vejo Deus no rosto das crianças. Se não Houvesse criança no mundo, se alguém me dissesse que todas as crianças estão mortas, eu pularia da ponte imediatamente. Eu estaria acabado.”

• “Todos que me conhecem sabem que meus filhos são prioridade na minha vida e eu nunca machucaria uma criança.”

• “Quando olho nos olhos do meu Prince e minha filha Paris, vejo milagres e beleza”

• “As crianças me mostram em seus sorrisos a divindade em todos”. Esse ato simples e puro sai de dentro de seus corações"

• “Você pode sempre sonhar, e seus sonhos se tornarão realidade, mas é você que tem que torná-los realidade”.

• “Vamos sonhar com o amanhã, onde poderemos realmente amar e saber que o verdadeiro amor é aquele no coração de todas as criações”

• “Eu acredito em desejos e na capacidade das pessoas de tornar o desejo em realidade. Um desejo não é somente um desejo... é um objetivo que o consciente e subconsciente podem ajudar a realizar.”

• “Eu era vegetariano antes mesmo de ser adolescente.”

• “A maior educação do mundo é ver os mestres trabalharem”.

• “Sou como qualquer pessoa. Se me corto sangro. Também fico envergonhado facilmente.”

• “Ela sempre me conta seus segredos. Este é o tipo de relacionamento que temos. (Refere-se a Diana Ross)

• “Sinto muito orgulho por ser artista, mas vocês ainda não viram nada”.

• “Acredito fazer trabalhos melhores”. Como diz um ditado antigo: 'Você não fica velho, fica melhor."

• “Quando estou no palco não sou a mesma pessoa . Sou diferente. Acho que sou viciado por palcos. Quando não subo num por muito tempo fico louco. Começo a chorar e agir estanho. Sem mentira, eu faço isso. Começo a dançar pela casa.”

• “As pessoas acham que me conhecem, mas não. Na verdade sou uma das pessoas mais solitárias do mundo, Choro as vezes, por que dói. Para ser honesto , acho que você poderia dizer que dói ser Michael Jackson.”

• “Não entendo por que eles sentem necessidade de criar histórias a meu respeito. Acho que é porque não há nada escandaloso para noticiar, é necessário criar coisas interessantes.”

• “Sou uma pessoa muito sensível. Uma pessoa com sentimentos muitos vulneráveis. Meus melhores amigos são as crianças e os animais. Eles são os únicos que sempre lhe dirão a verdade e o amarão sem interesses. Os adultos aprenderam a esconder os seus sentimentos e emoções.”

• “Mesmo em casa me sinto sozinho. Às vezes sento no meu quarto e choro. É tão difícil fazer amizades e há coisas
que não pode falar com seus pais. Às vezes ando pela vizinhança durante a noite, esperando encontrar alguém pra conversar, mas sempre acabo
voltando pra casa.”

• “É difícil ver sua vida transformada em propriedade pública, mesmo que você aprecie que aquelas pessoas estão interessadas na sua música”

• “O próximo álbum tem que ser três vezes melhor. Não pode ser apenas bom, por que isso seria decepcionante.
Então tirarei meu tempo e tentarei fazer a coisa certa.”(Antes de lançar Thriller).

• “Sinto-me culpado em ficar sentado quando sei que poderia estar fazendo algo.”

• “Meu pai e minha mãe sabiam que a música era a única forma de manter a família unida em uma vizinhança onde as gangues recrutavam garotos da idade de meus irmãos.”

• “Aconteceu em 1972, quando eu tinha 14 anos. Eles queriam que eu cantasse de um jeito e eu sabia que eles estavam errados. Não importa a sua idade, se você sabe o caminho certo, as pessoas tem que ouvi-lo.”

• “Sinto-me totalmente em casa quando estou no palco, Lá é onde eu moro, onde nasci, onde me sinto seguro.”

• “Eu não ligo para quem você seja. Eu sempre fico extremamente excitado quando conheço alguém cujo trabalho tenha me afetado de alguma maneira. Seja um livro que leio sem parar, uma musica que não canso de escutar eu até mesmo uma pintura que me faz viajar.”

• “Eu nunca estou satisfeito com coisa nenhuma.Sou perfeccionista, é parte de mim.”

• "Às vezes eu fico ressentido. Eu não o conheço do jeito que eu gostaria de conhecer. Minha mãe é maravilhosa. Para mim ela é a perfeição. Eu só gostaria de poder entender meu pai."

• "Bem, estar no palco era como estar em casa. Eu me sentia muito confortável sobre os palcos mas quando eu saía, eu era meio triste."

• "Adoraria ver um feriado internacional da criança, a fim de honrar nossas crianças, pois os laços familiares têm sido desatados. Há o dia das mães, o dai dos pais, mas não existe o dia da criança. Significaria muito. Paz no mundo."

• "Ficar fora do palco é difícil para mim."

• "Voltem aos seus lugares, por favor ..."(disse um Michael Jackson assustado em 1971, quando os fãs começaram a subir no palco)

• "As pessoas não sabem como é para mim. Ninguém sabe. Ninguém deveria julgar o que fiz na minha vida. Não antesde estarem no meu lugar por todo dia horrível e toda noite sem dormir."

• "Quando vejo crianças, eu vejo que Deus ainda não desistiu dos homens ."

• "As veses quando saiu com uma garota ,mal consigo olhar nos olhos dela ,isso acontece ate com as que conheço bem "

•"A parte de min que divido com milhões de pessoas não é a mesma que se partilha com uma só "

• "Coisas que desejo realmente desaparecem diante dos meus olhos"

• "Se a canção tocar o coração das pessoas eu já me sentiria menos solitário "

• "Eu amo as mulheres, mas fazer do sexo uma arma de poder ou chantagem e usar de um jeito repugnante uma das graças que Deus nos deu (sexo) "

• "Nem preciso dizer que gosto do relacionamento homen e mulher ."

• "Um artista e seu trabalho...difícil separar os dois."

• "Eu consigo ser muito objetivo em relação ao meu trabalho e se algo não dar certo ,sou capaz de detectar o porquê."

• "Quando termino uma musica ou um álbum pode ter certeza que dei tudo de mim,toda a energia e o talento que Deus me deu."

• "Senti-me como um corredor de maratona na hora de cruzar a linha de chegada ,mas não sou fã de esportes não,mas me identifico com os esportistas porque sei o quanto eles treinam e quanto os momentos de vitória significa pra eles, talvez uma vida inteira tenha sido devotada aquela hora ...e ai ele ganha! Realiza um sonho! A sensação é incrível, posso entender-la porque a conheço bem
(sobre thriller)."

• "As pessoas não querem que você mude, cresça ou pareça mais velho ou pareça diferente."

• "Oque meu rosto tem a ver com minha musica ou meu jeito de dançar?"

• "Não me importo com que digam,o rosto é meu e eu o conheço bem"Quem importa?"(sobre os boatos da mídia)

• "Não acho que sou completamente feliz, sou uma das pessoas, mais difíceis de satisfazer."

• "Todas as pessoas precisam fazer molecagens de vez em quando"

• "Janet e eu éramos como se fossemos irmãos-gemeos"

• "Acho que casar pode ser maravilhoso se for uma coisa legal para duas pessoas envolvidas"

• "Eu acredito em amor e muito, acredito em relacionamento."

• "Um dia encontrarei uma mulher certa e me casarei.Eu ainda não a encontrei (sobre sua alma gêmea em 2005)"

• "Quero ter muitos filhos, quero ter 13 filhos, será ótimo ter uma família grande"

• "Foi tão difícil e complicado (sobre os casamentos)"

• "Não inventei a operação plástica que já existia muito tempo"

• "Muita gente operou, mas ninguém fala dela as coisas que falam sobre mim."

• "Não é justo, a maior parte do que é publicado é pura invenção!Oque aconteceu com a verdade? Será que está fora de moda?"

• "O mais importante e ser sincero com você mesmo e com as pessoas que você ama."

• "É trabalhar duro, como se o amanha não existisse, treinar. Esforçar-se. Cultivar seu talento ao Máximo, ser o melhor naquilo que faz conhecer como ninguém a área que trabalha ,usar bem as ferramentas de eu trabalho ,sejam elas livros, palcos, piscinas, o que quer que seja seu trabalho...é seu! Procuro nunca esquecer disso."

• "O preço da fama pode ser alto"

• "Dizem que sou obcecado pela privacidade...sou mesmo."

• "Porque uso óculos escuros? É porque não gosto de ter alguém dentro dos meus olhos,é uma maneira de guardar um pouquinho de mim."

• "Há tão pouca privacidade na minha vida que tento me resguardar um pouco dos meios de comunicação, eu gosto da minha privacidade."

• "Nunca pedi pra dançar ou cantar, quando abro a boca a música sai."

• "Eu sinto orgulhoso por ter esse dom (cantar e dançar)"

• "Agradeço a Deus todos os dias ,tento cultivar o dom que ele me deu ,sinto que tenho a missão de cantar."

• "Há tantas coisas pra agradecer a Deus."

• "Gosto de crianças porque elas prestam atenção em tudo, não desanimam, conseguem ficar entusiasmadas com coisas que já não nos entusiasmam mais, são naturais, livres, adoro ficar entre elas, as crianças me dão energia só por estarem perto, olham tudo com olhos puros e sem preconceitos, por isso são tão criativas, não se preocupam com regras."

• "Pras crianças o desenho não tem que estar no centro da folha, o céu não precisa ser azul, aceitam as pessoas como elas são só exigem que seja tratada com justiça e amor, e isso que todos nos queremos."

• "Eu e ela comemos musica e bebemos musica (sobre Lisa Minelli )"

• "Agora tem crianças matando, mas e o único jeito delas chamarem atenção, pois são puras."

• "Já vi advogados que não me representam e portas - vozes que não falam por min (julgamento)"

• "As mentiras disputam 100 metros e a verdade completa maratonas."

• "Tenho fé no sistema judiciário, sou merecedor de um julgamento justo como qualquer outro americano."

• "Você não enjoa de mim? (pergunta feita a uma fã que assistiu 76 shows )"

• "Sem Deus, meus filhos, minha família e você meu fã, eu não poderia te feito isto tudo, seu amor, seu apoio, e lealdade fez isto tudo ser possível. Você estava lá quando eu realmente precisei de você, seu sempre e presente amor ajudou-me ,e enxugou minhas lagrimas e me carregou .Eu presarei sua devoção e apoio pra sempre .você e minha inspiração!Com Amor...Michael Jackson (comunicado escrito no dia do seu julgamento para os fãs)"

Créditos:: MJMoonwalker


 

O Rei do Pop, íntimo e pessoal


                                             


O mundo não se satisfaz com Michael Jackson. Aos Estados Unidos foi dado um raro presente; duas horas de cenas selecionadas e narradas pelo próprio Rei do Pop, Rock e Soul, Michael Jackson.
O teatro em Neverland Valley Ranch, aconchegado nas colinas de Santa Ynez, é parte do paraíso criado pelo gênio de Michael Jackson. É um sonho de teatro onde chocolates e sorvetes são grátis, os assentos vermelhos e confortáveis se inclinam e giram suavemente e o chão é livre de sujeiras. Suítes especiais para visitantes surgem do chão do teatro, mas você não verá essas acomodações nessa noite. Essa noite, o teatro está preparado para a narração pessoal de Michael, das cenas especialmente selecionadas de sua vida; sua vida musical e sua vida com amigos e família. Durante essas duas horas, Michael mostra cenas de bastidores dos concertos de dos vídeos, mas também você o verá fazendo compras, visitando parentes e a família, e passando tempo com amigos. Mas a melhor parte do show é a narração de Michael. Ouvir o que ele tem a dizer sobre seus fãs, seu primeiro Natal, Elizabeth Taylor, lutas d’água, crianças, o mundo e sua família.

Cada segmento do especial “Private Home Movies” é introduzido com músicas e trechos de filmes facilmente reconhecidos pelos fãs de Michael Jackson. Dentro de alguns toques, você é instantaneamente transportado àquele lugar onde certas canções te levam… Jam… Smooth Criminal… Bad… Remember The Time… a música está toda lá. Os fãs reconhecerão cenas de Eddie Murphy fugindo do falcão em Remember The Time, Michael competindo com Michael Jordan em Jam, Macauley Culkin e Michael encremando John Landis com tortas e Chris Tucker e Michael nas filmagens de You Rock My World. Os fãs reconhecerão trechos de shows ao redor do mundo e identificarão prontamente com o fenômeno que é Michael em concerto.
Mas há mais coisas no especial. Existem cenas de eventos sobre os quais ouvimos falar mas nunca o vimos, tais como a preparação espetacular de Elizabeth Taylor do Natal em Neverland, que nunca foi comemorado por Michael. Sem falar do elefante que ela deu a ele, que ficou contente e levemente tênue ao seu primeiro encontro com o presente!
Algumas das cenas foram filmadas pela família. A cena da visita da família a parentes no estado americano do Alabama foi de interesse especial. Muitas vezes, é fácil esquecer que celebridades são pessoas reais com vidas reais e raízes. Uma das partes mais refrescantes do especial foram aqueles momentos cândidos de Michael com sua família, sendo ele mesmo.
Pela primeira vez você vê um lado de Michael que a imprensa fez o possível (e o impossível) para esconder. Os fãs de Michael Jackson ao redor do mundo sabem disso há anos. Michael parece ter uma paixão por suas memórias e por seus amigos. Ele vê sua vida como um presente e não hesita em se doar.
A narração do show inteiro é feita por Michael, então é tudo excitante de se ouvir, existem momentos que você deveria estar com aqueles fãs que não viram esse show. Primeiro, no começo do show ele conversa sobre turnês e seus fãs.
“As gravadoras geralmente gostam que você dê suporte ao álbum através de turnês. E eu não gosto. Eu gosto de me relacionar com os fãs, dando a eles a chance de me ver face a face porque você vai de Hong Kong à África, da China ao Brasil, Singapura, Suíça, Londres, Paris, Rússia e os estádios ficam apertados e a energia é grande, é fantástico. Não sei como eles apreciam o show porque ele todos estão de pé, eles não querem cadeiras mesmo se houvessem cadeiras para todos. Então nós temos uma tenda ao lado, existem geralmente 5.000 desmaios a cada noite e temos todo o material lá e os paramédicos. Mas viajar é uma coisa difícil. Você vai de um continente ao outro, fica com sono, o fuso-horário muda e você não pode dormir depois do show, sua adrenalina fica lá em cima.”
Fora da câmera: “Podemos fazer de novo sem as coisas negativas sobre as turnês?”
Michael: “Não gosto “
Fora da câmera: : “Eu sei”
Michael: “Não gosto de viajar, farei uma coisa positiva então, mas você sabe a verdade.”
Fora da câmera: “Vamos lá. Ação Michael.”
Michael “Amo viajar.” (Todos começam a rir, incluindo Michael)
Michael: “Por quê vocês todos estão rindo? Eu estava pronto para entrar nisso.”
“Mas é sério. Se existe uma parte boa nas turnês, são os fãs. Amo meus fãs. Você vai de uma cidade a outra em qualquer lugar do mundo e eles sabem todas as suas canções e movimentos de dança, tudo. Eles até vêm com a fita nos dedos, chapéus, luvas, tudo. É simplesmente uma experiência maravilhosa. Faço turnês pelos fãs, e é muito importante dar a eles o melhor show possível.”
“Também é uma coisa espiritual. Quando tocamos certas canções como ‘Heal the World’, ‘We are the World’ ou ‘Man in the Mirror’ o estádio inteiro é iluminado com esses isqueiros Bic que eles usam. E eles sabem quando fazer. Você toca uma corda e eles sabem exatamente o que é. É muito emocional, digo, é divertido. E eu amo entreter, é uma das minhas coisas favoritas. Acho que os fãs entendem isso, realmente, sei que eles entendem porque quando eu ando no palco eles me dão tanto amor e isso é em qualquer lugar que vou, todo o tempo que ando no palco. (Assistindo ao filme do show e aniversário de 1993). Um dos melhores momentos está bem aqui, no meio do show e é meu aniversário e estou a milhares de quilômetros de minha família, quando eles me surpreendem com uma banda de marcha e depois eles trazem este lindo e grande bolo de aniversário, eu notei que ganhei uma família em todo o mundo e em qualquer lugar que vou porque meus fãs mostram-me o amor e eu os amo da mesma forma.”
Ao fim do show Michael mostra seus filhos ao mundo. Para os fãs, esses são os dez minutos mais tocantes. As cenas de Prince e Paris são mostradas com seus rostos embaçados. Eles correm ao redor dos pisos de madeira da casa em seus brinquedos e são vistos brincando com amigos. Numa das cenas finais, Michael senta no chão com os dois em seus braços. É evidente que essas crianças são felizes, saudáveis e muito bem amadas.
“Você viu muitas cenas hoje de minha vida, minhas alegrias, minha felicidade, você sabe. Mas o que você vai ver agora é o que tenho mais orgulho. O que acho que a vida é.” (“You Are My Life” toca ao fundo enquanto cenas de Paris e Prince brincando em casa são mostradas. Seus rostos estão nebulosos.) “Amo e adoro meus filhos. Significam tudo para mim. Quando eles estão em público, embora eu esconda seus rostos, quero que eles fiquem protegidos. Em casa levam uma vida normal. Brincam com outras crianças, e se divertem, eles riem muito, correm, até vão à escola, mas em público devo protegê-los.”
Mas o momento mais precioso do show inteiro foi quando Paris foi perguntada, “O que você vai ser quando crescer.” E ela respondeu rapidamente, “Vou ser como meu papai.”

Fonte: MJFC | MJMoonwalker

sexta-feira, 25 de março de 2011

Historinha de uma fã...(Premier de Cannes)



Eu fui tão abençoada por ter a oportunidade de conhecer o próprio rei. Eu nunca vou esquecer aquele momento para o resto da minha vida. Eu fui escolhida para participar do "The Fifth Element premier at the Cannes Film Festival",como acompanhante de Jean Paul Gautier, no dia seguinte o Sr. Gautier informou-me que fomos convidados para participar da premier do Short film de Michael "Ghosts". Eu trouxe minha câmera descartável (sim gente, descartável) e sentei no meu lugar no centro da fila 2. Logo houve muita confusão, as pessoas saltaram de seus assentos correndo para tirar uma foto com Michael, que estava sendo cercado por forte segurança. A segurança escoltou Michael Jackson até o seu lugar e eu quase tive um ataque cardíaco, quando vi que era no mesmo centro da minha fila, eu estava atrás dele!

Uma vez que ele se instalou e as luzes apagaram-se, eu comecei a tocar-lhe em seu ombro, ele virou e sorriu, em seguida, falou com sua voz baixa, ele me disse: "Oi linda, você está curtindo esse momento" ? Eu não conseguia falar, mas eu estava tirando minha câmera descartável. Numa parte da noite eu bati nele bastante mais algumas vezes e tive muito poucas imagens, cada vez que ele virava ele ria, perguntando se "Eu estava me divertindo". Depois da premier, ele estava disposto a tirar uma foto comigo, mas uma multidão impediu de fazê-lo, porque pessoas correram e ele teve que sair imediatamente, devido a razões de segurança. A última vez que vi o Michael Jackson foi quando ele estava sendo levado pelos seguranças para longe de mim, a última coisa que ele me disse foi: "Eu sinto muito garota linda, eu espero que você ainda se diverta". Esse foi o dia em que conheci o Rei e eu continuo hoje a lamentar por aquele dia muito triste.

Obrigada Mr. Jackson por excitar-nos com a sua música;
Obrigada Mr. Jackson por ser o melhor dançarino;
Obrigada Mr. Jackson por inspirar muitas gerações a seguir seus passos;
Obrigada Mr. Jackson pelo jeito que você fez eu me sentir naquele dia na França;
Obrigada Mr. Jackson por nos fazer gritar por mais.

Espero que Deus dê descanso para a sua alma linda!



                               Esta foi a foto que tirei sentada da minha poltrona...


                    

Fonte :: MJJ Secret Lovers




Stan Winston, Maquiador de The Wiz - 1977




Uma noite dessas chamei Michael para jantar. Nós tivemos que manter segredo sobre o assunto, porque se alguém descobrisse, as palavras se espalhavam como fogo. Foi em 1978 e ele tinha seus 19 anos de idade, Michael já era bem conhecido em todo o mundo. Então ele veio até nosso apartamento em Bergenfield, New Jersey com seu guarda-costas armado, Spence. O jantar foi Cornish game hens e, a pedido de Michael, feito ao forno.

Ele disse que seus companheiros de sua terra natal em Gary- Indiana chamavam o "rechear" de "adornar". Quando ele começou a comer, ele realmente cavou a comida até o fundo do prato, ele ficou com comida por todo o rosto, sobre a mesa, toda sua roupa. Michael era muito passional e intenso em tudo que faz, e eu suponho que "comer" era uma dessas coisas.

Naquela época, o comediante Robert Klein fez uma aparição no Saturday Night Live, na cena ele saia com uma gaita, deu à banda a primeira batida com os pés, e gritou: "Quero ouvir alguns blues" A banda começou a tocar a introdução um número de blues e ele começou a tocar gaita com eles, batendo os pés, a perna com entusiasmo, força e energia o tempo todo. Após a abertura de 16 compassos, ele puxou a gaita da boca e, ainda batendo o pé, cantou: "I can’t stop my leg, little darlin’ … I can’t stop my leg, little guurrl!"

Então, enquanto eu tocava uma progressão de acordes de blues na minha guitarra, Michael deu um alto chute pra fora assim. Michael batia o seu pé e cantava “I can’t stop my leg!” Num ponto, enquanto ele estava cantando, ele disse: "Now listen to me, people" e eu dei uma parada pra assistir, porque ele estava realmente focado naquilo.

A partir desta visita, fiquei com a sensação de que ele era um garoto muito normal e saudável.

Fonte:: MJJ Secret Lovers

quinta-feira, 24 de março de 2011

Elizabeth Taylor será enterrada no mesmo cemitério que Michael Jackson

Amigos e familiares participam nesta quinta-feira do velório da atriz Elizabeth Taylor. A cerimônia será fechada. Ela será enterrada no cemitério Forest Lawn, em Los Angeles, onde o corpo de Michael Jackson também foi enterrado. A informação é do site TMZ.

O enterro deve ocorrer ainda na tarde de hoje também fechado a familiares e amigos.
Segundo o site da revista "People", o enterro segue os preceitos judaicos. Elizabeth Taylor se converteu ao judaísmo antes do seu casamento com Mike Todd e continuou na religião com seu marido seguinte, Eddie Fischer.
Uma das maiores estrelas do cinema, Taylor morreu à 1h28 de quarta-feira (23) de insuficiência cardíaca congestiva. Ela tinha 79 anos.
Taylor estava internada no centro médico Cedars-Sinai, em Los Angeles, desde o início de fevereiro.



22.set.1951 - AP




quarta-feira, 23 de março de 2011

Elizabeth, I Love You





Elizabeth, Eu Te Amo

(Michael Jackson)



Bem-vinda a Hollywood
Isso é o que eles disseram a você
Uma estrela infantil em Hollywood
Isso foi o que eles venderam a você
Graça com beleza, charme e talento
Você iria fazer o que dissessem
Mas eles roubaram sua infância
Pegaram sua juventude e venderam por ouro

Elizabeth, eu te amo
Você é todas as estrelas que brilham no mundo para mim
Elizabeth, você não consegue ver que isso é verdade
Elizabeth, eu te amo
Você é mais que uma simples estrela pra mim

Amável Elizabeth
Você ultrapassou todos eles
Minha amiga Elizabeth
Aprendeu a ultrapassar todos eles
Muitos recomeçaram quando você fez
Eles perderem seu caminho e agora eles foram embora
Mas olhe pra você, uma verdadeira sobrevivente
Cheia de vida e levando adiante

Essa é a sua vida
Você parece ter isso tudo
Você alcançou o topo
Eles quiseram que você caísse
É muito triste, esse mundo pode ser tão mau
Mas seja mais forte que todas as dores no coração
Quando eles a colocarem pra baixo
Você sabe que você foi a vencedora
E que você ganhou a coroa
É como andar através do fogo
Determinada a vencer
Você estava vencendo as batalhas da vida
De novo e de novo


Elizabeth, eu te amo
Você é todas as estrelas que brilham no mundo para mim
Elizabeth, você não consegue ver que isso é verdade
Lembre-se do tempo que eu estava sozinho
Você ficou ao meu lado e disse:"Vamos ser fortes"
Você fez todas essas coisas
Que só um verdadeiro amigo pode fazer

Elizabeth, eu te amo
O mundo conhece o seu trabalho agora
Eu rezo para um dia ser simplesmente como... você.

R.I.P Elizabeth Taylor



SÃO PAULO - Uma das maiores estrelas de Hollywood faleceu nesta quarta-feira (23). Elizabeth Taylor, aos 79 anos, morreu vítima de insuficiência cardíaca congestiva. A informação foi confirmada pelo agente e filho da atriz, Michael Wilding. Segundo ele, a mãe faleceu ao lado dos quatro filhos. "Apesar de ela ter sofrido diversas complicações, sua condição estava estável e era esperado que ela voltasse para casa em breve. Infelizmente, isso não aconteceu", afirmou em um comunicado.
Wilding disse ainda que sua mãe foi uma mulher extraordinária que viveu a vida intensamente. "Apesar de sua perda ser devastadora, nós sempre seremos inspirados pela sua contribuição ao nosso mundo", disse. Segundo a rede ABC, a família pretende realizar um funeral particular até o final desta semana.
Liz Taylor estava internada no centro médico Cedars-Sinai, em Los Angeles, Estados Unidos, há cerca de dois meses, com problemas cardíacos. Desde 2004, a diva lutava contra uma doença que impedia seu coração de bombear sangue o suficiente para os demais órgãos do corpo. Há três anos, ela se submeteu a uma cirurgia para substituir uma válvula defeituosa no coração. E há mais de cinco anos usava cadeira de rodas.

Reprodução/IMDb
Reprodução/IMDb

Seus olhos azuis sempre chamaram a atenção. Protagonizou clássicos como "Um Lugar ao Sol", "Assim Caminha a Humanidade" e "A Última Vez Que Vi Paris". Liz Taylor foi responsável pelas interpretações femininas mais marcantes da época de ouro de Hollywood. A atriz foi a primeira estrela a receber um cachê de US$ 1 milhão. O valor foi pago à estrela para que ela fizesse a Rainha do Egito em “Cleópatra”. Valeu cada centavo de dólar! Até hoje o longa é citado por cineastas, lembrado pelo público e a personagem marcou sua carreira.
Elizabeth ganhou o Oscar duas vezes. O primeiro foi 1961 por "Disque Butterfield 8". Em 1967, a atriz mostrou porque era considerada a maior estrela do cinema americano com sua atuação em "Quem tem medo de Virginia Woolf?". Sucesso de público e de crítica, sseu desempenho no papel de Martha lhe rendeu um segundo Oscar e colocou o longa na galeria de filmes inesquecíveis. Uma terceira estatueta chegou 26 anos depois. A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas entregou um prêmio especial à diva, em 1993, por seu engajamento em causas humanitárias.
A atriz, que nasceu na Inglaterra, se mudou para os Estados Unidos aos seis anos de idade e começou sua carreira no cinema aos 10. Candidata a “nova Shirley Temple” (1942), foi contratada pela Universal Pictures para fazer o filme “There's One Born Every Minute”. Porém, o contrato da menina não foi renovado.
No ano seguinte, a MGM convidou Elizabeth para fazer o filme “A Força do Coração”, ao lado da cadela Lassie. Mas, o sucesso precoce chegou somente com “A Mocidade é Assim” (1944), onde interpetrou a jóquei Velvet Brown. O projeto foi sucesso de bilheteria e projetou sua carreira. A partir daí, a estrela comecou a trilhar um caminho de sucesso emplacando um filme atrás do outro.
Dez anos depois de seu primeiro sucesso cinematográfico, seus belos olhos azuis conquistaram de vez a plateia. Sua participação em "A Última vez que vi Paris" a tornou conhecida como um dos rostos mais bonitos da indústria hollywoodiana. Apesar de sua beleza estonteante, a atriz nunca se viu como musa e não sabia o que as pessoas encontravam de tão maravilhoso em sua aparência. "Nunca pensei em mim como uma pessoa bonita. Sempre encarei meus atributos físicos como um dom genético", dizia.
Um ano depois, Liz Taylor dividiu os sets de filmagem com mito James Dean e juntos consagraram “Assim Caminha a Humanidade”. Nos bastidores, ela iniciou uma grande amizade com Rock Hudson. Após a morte do astro, por conta do vírus da AIDS, a morena passou a se dedicar a campanhas em busca da cura da doença que matou um de seus melhores amigos.

Reprodução/IMDb
Reprodução/IMDb

Elizabeth Taylor também ficou conhecida pelos inúmeros casamentos. No total foram oito. O primeiro aconteceu em 1950. A relação com Conrad Hilton Jr. durou apenas nove meses. Logo depois, a estrela foi morar com Michael Wilding, com que ficou até 1957 e teve dois filhos: Michael e Christopher Howard. A inglesa saiu de casa para se casar com o produtor Michael Todd, que faleceu um ano após a união, por conta de um acidente de avião. A atriz ficou viúva aos 26 anos e com mais uma filha, Elizabeth Frances Todd.
A bela deixou o luto para trás meses depois ao se apaixonar por Eddie Fisher. A relação foi um verdadeiro escândalo na época porque o crooner era casado com uma amiga da atriz, a companheira de profissão Debbie Reynolds. O casal se aproximou da estrela por conta do falecimento de Tood. Debbie foi à imprensa acusar a atriz de ter roubado seu marido e fez a festa dos jornais sensacionalistas.
O romance, que durou cinco anos, chegou ao fim quando ela reencontrou o ator Richard Burton no longa “Adeus às Ilusões” em 1965. Os atores, que haviam contracenado juntos em “Cleópatra”, se apaixonaram, viveram juntos por dez anos e adotaram Maria Burton. O casal voltou a contracenar junto em "A Megera Domada". Após colocar um ponto final no casamento, a dupla teve um recaída um ano depois, mas logo tornaram a se separar.

Reprodução/Daily Mail
Reprodução/Daily Mail

Nem tudo foi glamour na carreira da estrela. A falta de convites para o cinema fez com que ela se entregasse ao álcool e caísse em depressão. Os papéis começaram a minguar ainda nos anos 1970, por conta de uma reformulação estética do cinema americano. Os novos diretores só a escalavam para personagens pequenos em longas sem prestígios e telefilmes. A atriz começou a década de 90 internada em uma clínica de reabilitação para dependentes químicos. Foi lá que Elizabeth conheceu Larry Fortensky, seu sétimo marido. A diva de Hollywood e o operário da construção civil se casaram em 1991 e viveram juntos por cinco anos.
Sua amizade com o astro Michael Jackson foi outro fato que despertou a curiosidade de muita gente. Liz Taylor nunca escondeu seu carinho pelo cantor e foi a pessoa que mais defendeu o “Rei do Pop” das críticas que a mídia fazia sobre sua vida pessoal, principalmente das acusações de pedofilia. "Eu amei Michael com todo meu coração e não consigo imaginar a vida sem ele. Tínhamos tanto em comum e nos divertíamos tanto", disse na época em que o amigo morreu.
Como bem disse seu agente, Elizabeth viveu sua vida sem pensar nas conseqüências. Amou todos aqueles que quis amar e usou do bom humor para superar as adversidades. Sem dúvida, foi uma vida de glória. Em seu aniversário de 60 anos, comemorados na Disney, a estrela disse que após completar seis décadas de vida uma pessoa tinha direito de fazer o que bem entendesse. “Pode-se desistir e ficar uma velhinha. Ou se pode enfiar um jeans e ir em frente, pois se tem a experiência e a prática que não se tinha antes”, concluiu. Um boletim médico divulgado pelo hospital afirma que Liz Taylor “morreu em paz”.


____________________________________

Estou chocada com a noticia, espero que ela e o mike estejam juntos novamente =\\
Vai com Deus Liz   U_U

terça-feira, 22 de março de 2011

Desabafo de uma fã órfã - Um ano depois


por Aninha em 25/06/10

Faz um ano que escrevi o texto acima. Lembro que foi um dia dificil. Um dia chato no trabalho, e a noite que se seguiu não ajudou muito. Hoje, se me perguntarem os maiores choques que tomei na vida, posso claramente dizer que a passagem de MJ foi um deles. Lembro que fui trabalhar cabisbaixa, com uma camiseta que minha irmã ganhou dos meus pais em 1993, no show que Michael Jackson fez aqui no Brasil. Aguentei piadinhas idiotas de um pessoal que trabalhava comigo, mas o que me fazia continuar trabalhando sem xingar ninguém eram os comentários que deixavam nesse post, de um ano atrás.

Um ano inteiro se foi, já mudei de emprego duas vezes, tenho as minhas próprias camisetas do Michael Jackson. Mas tenho que confessar que algumas coisas permanecem: ainda defendo Michael Jackson como se fosse um parente meu, ainda não consigo relacionar a palavra "morte" com seu nome e ainda não sei falar dele no passado. Talvez por ele estar tão presente na minha vida. Talvez por eu carregar para cima e para baixo uma bolsa com três Michael Jacksons pendurados. Talvez porque quando alguém me liga, o que toca no celular é Michael Jackson.

Talvez porque quando entro no carro do meu namorado, o que passa lá é Michael Jackson. Não sei. Só sei que, assim como quando eu tinha 6 anos, Michael está presente diariamente na minha vida. É engraçado, qualquer filmagem que você pegar da minha família, você encontra Michael Jackson de fundo. Viagens, festas de aniversário, até a gente assistindo a copa: em algum momento você vai escutar um som com Michael Jackson. Minha infância foi assim.

Lembro de reunirmos as meninas do prédio para inventar coreografias para as músicas do MJ. Era Off The Wall, Thriller e Bad em fita K7 e Dangerous em CD, porque assim, o CD ainda estava surgindo. Lembro que eu realmente não me importava se ele era negro ou branco. Para mim, não fazia a menor diferença se na capa do Off The Wall e do Thriller ele estava negro e em Bad e Dangerous, branco. Para mim era normal. Ele disse em uma entrevista que tinha vitiligo? Acreditei. Simples. No meu prédio tinha um senhor negro que também tinha vitiligo. Achava estranha a pele dele toda manchada. Lembro que pensava "por que ele não faz que nem o Michael e já acelera tudo?". Hoje em dia, ele já está bem branco. Ninguém nunca perguntou para ele se ele tem algo contra sua raça. Aliás, contra sua cor, pois todos somos da raça humana. Diria que o rap de Black or White já responde essa questão.

"Proteção para gangues, clubes e nações, causando aflição nas relações humanas. É uma guerra de territórios numa escala global, eu preferiria ouvir os dois lados dessa história... Veja, não se trata de raças, apenas lugares, rostos. Onde seu sangue vem, é onde fica o seu lugar. Eu já vi o brilhante ficar mais opaco. Eu não vou passar a minha vida sendo uma cor". Lembro que via as histórias sobre pedofilia no jornal e simplesmente acreditava no Michael. Não questionava. Não sei explicar, ele me passava uma inocência, uma cumplicidade, era impossível para mim pensar que ele poderia fazer mal para alguma criança. Meus pais também nunca acreditaram. Isso porque na época eu tinha menos de dez anos.

Dez anos depois, Michael foi julgado, foram três meses desgastantes de julgamento, promotoria tentando provar qualquer coisa contra ele, Estado doido para prender o maior astro do planeta. O que aconteceu no fim? Inocentado de todas as acusações. Não, ele não comprou ninguém. Ele já estava endividado nessa época, com todo dinheiro que tiraram dele. Simplesmente não conseguiram provar nem embriaguez no homem. E no fim, presa foi a mãe do menino que acusou MJ de pedofilia. Por fraude.

É muito fácil julgar, é muito simples enxergar maldade em tudo. Vivemos em uma sociedade na qual você é culpado até que provem que você é inocente. Isso se você não continuar culpado depois disso. Você, por um acaso, já parou para pensar na vida de Michael Jackson? Livre-se de preconceitos, pense nele como uma pessoa. Como uma pessoa que foi obrigada a trabalhar desde os 5 anos. Como uma pessoa com um pai rude, que batia, que assustava, que criticava. Como uma pessoa que teve sua aparência julgada por aqueles que deveriam o amar. Como uma pessoa que cresceu aos olhos do mundo, sem poder crescer por dentro. Ás vezes enxergo MJ como uma criança que você joga no meio da multidão, sem pai, sem mãe, sem ninguém, e pede para se virar. Sozinho. Solitário.

Michael tinha algo único em seu olhar, enxergava o mundo com uma inocência que as pessoas simplesmente não estão acostumadas. Era um grande artista, fenomenal, não se compara. Mas uma pessoa frágil. Imagina você ter tido uma infância e adolescência conturbada, e depois ter pedras atiradas do mundo inteiro sem nem saber o porquê?

Michael nunca teve um momento de descanso, de paz. Nem mesmo depois de sua passagem. Assisto à documentários e minha vontade de dar um abraço nele só aumenta. Você ficaria feliz com o mundo inteiro te chamando de louco? Te criticando? Afinal, quem foi o imbecil que inventou o tal do Wacko Jacko? Aliás, fica um recado: se qualquer dia desses você decidir homenagear Michael Jackson, nunca, em hipótese nenhuma, o chame de "Jacko", ok? É Michael.

As pessoas esquecem que por trás do mega artista tem uma pessoa. Com sentimentos. De carne e osso. Igual a gente. Uma pena que não souberam dar valor ao pequeno menino que só queria salvar o mundo. Assista This is It. Você consegue ver o mal que o pai de Michael fez para a cabeça dele. Michael é um super profissional, perfeccionista, mas tem medo que sua equipe o entenda mal. É tudo "com amor", "por amor", "por isso que a gente ensaia". Talvez os anos de ensaios ao berros e surras que teve na infância o fez ter medo de tudo.


Ainda a impressão que tenho é que Deus colocou Michael no mundo para nos fazer mais felizes. Bem do tipo "vai lá meu filho, canta, dance, faça os dias desse pessoal mais alegre, mas volte logo. Essa será sua missão". Não adianta, Michael já foi eternizado. As crianças de hoje em dia já estão se tornando fãs. Meus filhos? Fácil, serão fãs. Meus netos, no que depender de mim, ouvirão Michael Jackson. Mas só eu poderei dizer que vivi na mesma época de Michael Jackson. Vi o mito. E acompanhei de perto o dia em que Michael conseguiu derrubar o mundo. Derrubou o twitter, o google, as emissoras, os jornalistas, e os fãs, inconsoláveis. O que acompanhamos em junho de 2009 é algo que nunca mais irá acontecer. Nenhum outro artista causará essa comoção em sua passagem. Isso é coisa de mito. Isso é coisa de rei.

Post longo mais uma vez. Post fora do tema do blog mais uma vez. Mas são coisas que Michael Jackson faz você fazer. Não tem como deixar em branco essa data. E mais uma vez não, não foi Elvis que não morreu. Foi Michael. Pois é, ainda não acredito.

Fonte: Blog Cai Muita Garoa

MICHAELING: Você sabe o que é isso ?



Esse fenomêno agora tem nome:



"MICHAELING"


No dia em que Michael tornou-se imortal, algo inusitado aconteceu: Muitas pessoas ao redor do mundo foram capturadas por uma confusão e tristeza complexa, mas não foi só isso que aconteceu. Sem fazer shows ou lançar álbuns inéditos por mais de uma década, algumas gerações cresceram sem saber exatamente quem ele era ou o quê de fato havia feito, apenas bebendo da sopa mentirosa dos tablóides que o transformavam numa caricatura 'clichê'.
.
Mas o seu falecimento trouxe consigo uma enxurrada de material e junto com ele um interesse enorme sobre esse homem extraordinário. E a cada busca na internet, a cada vídeo do Youtube, em cada blog ou site, milhões de pessoas foram descobrindo sua genialidade, seu talento e a complexidade de sua personalidade criadora, amorosa e humanitária. Com isso a sua imagem foi ficando mais real, mais encantadora e as pessoas foram ficando mais apaixonadas, mais viciadas !
.
Quem já era fã, ficou mais fã. Quem era indiferente, ficou interessado e quem não o conhecia se apaixonou. E essa "corrente de amor" se transformou em um FENOMÊNO !
Esse magnetismo que Michael tem exercido, tem sido descrito mais e mais, em várias histórias e em vários idiomas ao redor do mundo e os americanos até criaram uma expressão para esse investimento de tempo excessivo e essa obsessão que as pessoas adquiriram por todas as coisas de Michael - 'MICHAELING' !
.
Eu estou 'Michaeling, eu vou "Michaeling', eu sou 'Michaeling' !

.
'Michaeling' descreve a atividade de ficar horas no Youtube assistindo shows, entrevistas, ouvindo suas músicas. Buscar em sites e blogs novidades sobre ele, colecionar suas fotos, passar horas em fórums, comunidades e expressar seu luto e sua dor pela perda do ídolo, da inspiração.
.
Mas 'Michaeling' pode ser muito mais do que isso. Pode ser a expressão que se transforme na chave para fazermos a transformação - Make that CHANGE ! Para realizarmos o sonho que Michael começou e pelo o qual dedicou toda a sua vida - Vivermos num mundo melhor !
.
Então, esta é a idéia: Façamos a mudança em nome de Michael. A cada vez que fizermos uma doação, que formos generosos, voluntários, que pararmos para uma oração ou meditação, que chorarmos por uma injustiça - Façamos isso em nome de Michael ! Vamos respirar fundo e falar:
.
- Eu faço isso em nome de Michael ! Esta doação é em nome de Michael Jackson ! Presto essa ajuda em memória de Michael ! E tenha um gesto de caridade, de paciência, de amor, de doação ! Qualquer coisa, qualquer atitude, mesmo que seja pequena !
Faça um 'MICHAELING' !

Da Redação de MJ Planet

- por Julia Kimiama


Fonte :: MJ Planet


'Projeto Promessas' : A relação extraordinária Entre Michael e seus fãs!

Você pode fazer parte de um filme eterno
Que promete capturar e preservar
A relação extraordinária
entre Michael e seus fãs!



'Projeto Promessas' vai preservar o legado MJ através dos olhos dos fãs




O projeto de um filme empolgante está sendo anunciado esta semana, e será criado a partir de vídeos caseiros criados e enviados pelos fãs de Michael Jackson em todo o mundo. Os fãs que participarem no filme estão sendo convidados a partilharem os seus sentimentos, experiências e mensagens sobre Michael. A participação custará o mínimo de 10 dólares de cada fã e os valores arrecadados serão doados a entidades mantidas por Michael. Os fãs que se inscreverem receberão uma cópia em DVD, mesmo não tendo seu vídeo selecionado.

O título do DVD é "O que seu pai significa para mim" - sugere que os fãs se expressem em seu vídeo como se estivessem falando diretamente para Paris, Prince e Blanket. Uma edição especial do DVD será entregue aos membros da família Jackson no aniversário de Michael.

"O que seu pai significa para mim" está sendo criado pelo produtor executivo Jerry Biederman, o co-fundador de O Retrato de Michael Jackson Tribute, em associação com Don Wilson, o criador / diretor / produtor de "Man in the Mirror. "

Os fãs são convidados a irem para o site do projeto para saberem mais e incluírem seus clipes para serem avaliados e inseridos no filme global. Os fãs também poderão enviar uma foto com texto, em vez de um clip de vídeo digital.

O produtor explica que este é o único filme que dá a todos os fãs a oportunidade de fazer parte dele, independentemente de quem são ou onde estão no mundo.
- "Se você ama Michael, se ele mudou a sua vida, você pode se juntar ao seu legado, compartilhando o que ele significou para você", disse Biederman. "O objetivo deste projeto cinematográfico é arquivar a geração contemporânea de fãs, cujas vidas foram tocadas e positivamente afetadas pelo maior entertainer e humanitário de todos os tempos. Este será nosso presente para os outros fãs de Michael que virão, o nosso presente para nossos filhos e, em última instância, um presente para as gerações de fãs do futuro. "

A idéia do projeto é mostrar ao mundo que o legado de Michael Jackson está vivo e bem "conectando" ao redor do globo com esse filme emocionante e sem precedentes, que celebra os fãs e dá à eles uma voz !
Para conhecer melhor o projeto e as condições de participação - http://www.fanclipcentral.com/index.php?option=com_content&view=article&id=5&Itemid=53



Fonte: MJ Planet

segunda-feira, 21 de março de 2011

E é isso...

por Kevin Mendelsohn / Andréa Faggion / Bruno Pórpora



Como é notório e de conhecimento mundial, Michael Jackson não está mais presente nesse mundo. Os mais religiosos costumam dizer que ele está "no céu", "ao lado do Senhor", "morando com os anjos" - acalme-se, não foi uma ironia.

Durante a madrugada de 12 de Outubro pudemos testemunhar em Facebook, Twitter, Orkut, MySpace e na MJ Beats a expectativa de inúmeros fãs que aguardavam com furor a primeira música póstuma de Michael Jackson (odeio dizer isso) estrear na rede.

Houve congestionamento nos servidores da Sony Music, claro que nada comparado ao colapso das vendas pela Ticketmaster em Março de 2009, quando Michael (em pessoa) anunciou que faria uma temporada de shows em Londres, a qual chamou de "This is It".

Coincidentemente - ou não - o nome do single póstumo de estréia tem o mesmo nome da temporada: "This Is It". Creio que até aí não tenha ocorrido nenhuma novidade. Na verdade, no desenrolar deste texto, talvez não haja realmente novidades. Mas, vamos lá!

Como íamos dizendo: acompanhamos a expectativa da estréia de "This Is It" no MichaelJackson.com à 01h da manhã do dia 12 de Outubro de 2009. A reação do grupo dos fãs mais emotivos foi muito comovente. Inúmeras postagens ao redor do mundo elogiando a música e perguntando aos céus "por que tinham que tirar Michael deste mundo".
 
Os trending topics do Twitter colocaram #ThisIsIt entre o TOP10 muito rapidamente. "Michael Jackson" era um dos assuntos mais quentes do microblog.

O grupo dos fãs mais céticos já desconfiava do óbvio: a música é demo da década de 1980 e só teve novos vocais dos velhos Jacksons adicionados - notícia que a Sony Music confirmou durante o dia. No entanto, por que isso reduziria um milésimo da admiração e respeito que eles têm por Michael, se o cantor teve tanta participação nesse lançamento quanto no preparo do próprio funeral?

São esses insatisfeitos, que seriam capazes de exumar o cadáver do cantor para espancá-lo, questionando por que ele não criou aquilo que eles queriam. Como ele não imaginou que poderia morrer a qualquer momento e, portanto, precisava ter deixado esse single regravado e prontinho para o lançamento póstumo tão oportuno?

De quebra, já que estariam com a mão na massa, para não perderem a viagem ao Forest Lawn, aproveitariam para perguntar o porquê do outrora garoto prodígio de Gary ter feito playback durante a turnê mundial de HIStory. E que ele não viesse com desculpas furadas, como calos nas cordas vocais ou inflamação crônica nos pulmões.

Ele que ousasse bancar o humano enquanto tivessem em mãos seu... cadáver. Claro, antes do "último adeus ao Rei do Pop", ainda valeria uma última pergunta ao músico que quebrou barreiras raciais em um dos raros momentos em que deixou a "vagabundice" de lado: "por que Akon e Will. I. Am, eles bradariam aos prantos.

Esse terceiro grupo de insatisfeitos gosta bastante de colocar seus currículos em destaque na conversa a fim de tentar comprovar suas teorias "acadêmicas". "Sim, porque eu sou músico", diz o rapaz de nenhuma gravação, que acaba de chamar Michael de folgado por não ter terminado a música de cuja existência ele dificilmente se lembrara nos últimos 20 anos.
 
"Eu estou estudando psicologia", informa a moça que vive de mesada dos pais, ao chamar a letra de fraca para os padrões do recém-partido músico.

O Senhor Jackson deve se contorcer no túmulo quando vê frases do tipo: "ah, ele voltou a cantar como um negro americano". Aham...é claro, antes disso Michael cantava feito um japonês amarelo com bolinhas rosas, ou então um chileno exilado em Cuba em plena Guerra Fria ou ainda um panamaense, cuja mãe veio a falecer envenenada com a maçã da Branca de Neve.

Longe de mim julgar (claro!) mas já que opinião todos podemos dar, então: Frustrados. São pessoas frustradas com suas próprias vidas e tentam ver em Michael Jackson o que gostariam de ser. Talvez essa seja a realidade. Tentam enquadrar um gênio baseados no seu próprio cotidiano. Quem realmente admira e apóia não tenta qualificar, apenas admira. Por mais pública que tenha sido a vida de Michael Jackson nos últimos 50 anos, é incontestável o valor cultural que ele deixa como um dos seus legados.

Qualquer criti"cuzinho", fã ou não, que se arrisque a explicar o artista Michael Jackson estará cometendo um erro, afinal arte é gozo e fruição estética, não cálculo matemático, demonstração lógica ou aplicação de fórmulas prontas. Michael, sem nem mesmo ler partituras musicais, moldou sons em música pela centelha do gênio que brilhava no íntimo de sua alma, que, por isso, se tornou imortal em sua obra. Sim, ele é Rei do "Pop", e esse "pop" é "popular" e, se é popular, então é para todos e, se é para todos, então todo o universo pode usufruir. Piedade aos pseudo-eruditos fracassados que preferem esquadrinhar a obra de Michael, incapazes que são de simplesmente serem tocados pelo que quer que seja.

Fonte:
MJ Beats | MJJ Secret Lovers


Michael Jackson soube unir o enorme talento que possuía ao uso da mídia – e foi isso que o transformou no maior ídolo pop do século 20 – afirma professor da USP

Ele revolucionou a cultura da juventude dos anos 80 ao aparecer com um tipo de música bem diferente da que estava em voga até então. Enquanto os Beatles faziam apologia de uma atitude mais down, Michael Jackson trouxe o elemento lúdico, alegre, com uma coreografia nunca vista antes – e que iria influenciar enormemente os movimentos do hip hop naquela década e muitos artistas das décadas seguintes. Os jovens, sempre mais receptivos a novidades, absorveram essas inovações. Essa análise foi feita ao Jornal da USP pelo professor da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP Waldenyr Caldas, especialista em cultura pop e comportamento.

Segundo ele, para um artista se tornar um fenômeno popular, são necessárias duas coisas: trabalho midiático intenso e talento. “Não há mídia que crie talento, existe apenas a que o aproveita. O de Michael Jackson era extremo e indiscutível, e ele soube trabalhar com isso para ter a máquina midiática a seu favor.”

O professor faz uma comparação com o cantor brasileiro Roberto Carlos, que também conta com esses dois elementos. “Intelectuais podem não gostar de sua música, achá-lo brega (o que é extremamente preconceituoso e é um conceito que precisa ser melhor definido), mas ninguém pode questionar seu talento. Sem isso, ninguém permaneceria por tanto tempo.”

Michael Jackson surgiu nos Estados Unidos, e tudo o que acontece lá ganha dimensões planetárias devido às forças do capital e midiática, acrescenta o professor.
Com o processo de globalização já se intensificando naquela época, não demorou muito para que ele virasse um fenômeno mundial. Nesse aspecto, superou Elvis Presley, que nunca chegou a se apresentar fora dos Estados Unidos. Michael, ao contrário, fez muitos shows em diversos países.

Para o professor, os grandes legados do rei do pop são as suas composições e a sua coreografia. “Michael Jackson era um compositor refinadíssimo, de raro talento. Foi um intérprete, em minha opinião, melhor que Elvis, e um ótimo cantor. E, principalmente, foi um grande coreógrafo. Nisso também era melhor que o primeiro.” Ele acredita que, sem Michael Jackson, a cultura pop ainda estaria mais próxima dos Beatles e dos Rolling Stones, com o deslocamento do eixo principal dos Estados Unidos para a Europa.

As excentricidades – Michael Jackson é daqueles artistas que, muitas vezes, são mais lembrados por suas excentricidades do que pelo seu trabalho. Mas o professor Waldenyr Caldas defende que o talento e o legado de Michael Jackson são superiores a todas elas. “Vários grandes artistas têm disso. Roberto Carlos tem transtorno obsessivo compulsivo, mas as pessoas não focam essas coisas, e sim o seu trabalho.”

“Michael sempre permaneceu muito imaturo psicologicamente”, diz o professor. “Mas talvez tenha sido isso o que o deixasse livre para fazer os movimentos que ele fazia. Imagine um adulto dançando daquele jeito, quando nunca ninguém havia feito isso antes.” Jackson tinha a liberdade de uma criança para dançar e criar.

Ele também introduziu um novo conceito e uma nova forma de fazer videoclipes. Se antes o comum eram vídeos com colagens de imagens ou simplesmente mostrando um show do artista, Michael criava enredos e fazia altíssimos investimentos em profissionais e efeitos especiais avançados para a época. Alguns recursos desenvolvidos para eles são usados até hoje. O vídeo de Scream (1995) custou US$ 7 milhões e foi o mais caro da história.
Jackson levou cineastas como Martin Scorsese (Bad) e Spike Lee (They don’t care abort us) para dirigi-los, mas as ideias principais eram sempre dele. “É impressionante, ele que criava tudo. Scorsese só fazia o que ele pedia.” Para fazer o clipe de Thriller (1982), ele chamou o cineasta John Landis. O resultado foi um curta-metragem de 14 minutos que teve uma enorme influência sobre os clipes que vieram depois.

Lacuna
– O professor acredita que a importância de Michael Jackson para a música e a cultura de uma forma geral está no mesmo patamar que a dos Beatles e Rolling Stones. E diz que, num cenário em que os fenômenos musicais parecem todos passageiros e descartáveis, é difícil que algum artista possa se tornar o sucessor do “rei do pop”.

“Depois dos anos 80, começa a se fragmentar a imagem do ídolo. Michael Jackson foi um dos últimos artistas a obter um destaque tão grande. Antes, quando alguém lançava um disco, era um acontecimento. Toda a mídia anunciava. Hoje existem tantos ídolos que ninguém sabe quando há um álbum novo”. Para ele, na área dos esportes ainda existem grandes ícones e o mundo ainda para por alguns deles. Mas ainda assim também é mais fragmentado do que antes. “Pelé hoje não seria único, por exemplo”, diz.

Waldenyr Caldas considera que talvez Prince pudesse ocupar o posto vago deixado por Michael Jackson. “Ele tem muito talento. Não poderia ocupar de fato o lugar de Michael, que é único, e Prince, apesar de bom cantor, não dança igual e não tem nenhum jogo de cintura. Mas talvez pudesse sucedê-lo como ícone do pop, apesar de ter aparecido um pouco antes.”


Fonte:
Jornal da USP

MJJ Secret Lovers

sábado, 19 de março de 2011

Estratégia Errada



                     


Se quando jovem marcou a história com o álbum que retém até hoje o título de mais vendido de todos os tempos, agora, um senhor de 43 anos, nada seria diferente para Michael Jackson. O mundo espera a música do homem que mesmo no momento mais árduo de sua carreira, levou aos cofres de sua gravadora um bruto de aproximadamente setecentos milhões de reais.

Porém algo saiu errado. Mais de um mês antes de seu previsto lançamento, aterrissou nas rádios e na Internet o primeiro single do mais-que-esperado novo álbum de Michael Jackson, previsto para Outubro. O fardo se repete, já que há cinco anos atrás, o mesmo aconteceu com "Scream".
"O pessoal da gravadora estava furioso, advogados foram envolvidos e a situação complicou", disse Michelle Santosuosso, diretora de programação da rádio KMEL: "Mas falando de um lançamento tão grande quanto o de Michael, se recebêssemos a fita que vazou, seria loucura esperar. É uma oportunidade única, já que a segurança em volta dele é gigantesca".




Tocar uma música antes do esperado, especialmente a que lançaria um álbum, pode ser um grande problema. Além de amenizar o impacto de que ela deveria causar, uma música mal finalizada pode distanciar consumidores em potencial. "Mas quando uma rádio faz isso, não é para criar problemas", retruca Dave Allan, diretor de operações das rádios WUSL-FM e WIOQ-FM. "Uma rádio deve sempre procurar as melhores músicas para seus ouvintes", complementa.

De qualquer forma, a estratégia errada pode desencadear problemas e fazer da música certa um erro quando lançada em momento inoportuno. Poderia, mas não foi o aconteceu. Os muitos anos de espera fizeram da volta do Rei do Pop um acontecimento popular.

Jovens curiosos se uniram à verdadeira massa de apoio de Jackson, seus fãs, e fizeram o momento certo para "You Rock my World". O impactual Michael também deu espaço a um modesto estou-tomando-meu-espaço para conquistar o público de forma gradativa. Claramente, o Rei do Pop pretende retardar o ditado popular que proclama "quando mais rápida a ascensão, será a queda", sabiamente. Que Deus abençoe Michael Jackson.

Por AZP
Fonte: mjBeats - Este artigo foi originalmente postado em [Set/2001]
  | MJJ Secret Lovers

sexta-feira, 18 de março de 2011

Brandy Fainted Recorda Encontro com Michael Jackson, em "When I Was 17"

No último episódio, exibido sábado, às 11:00 ET na MTV, a cantora disse que desmaiou no encontro com o rei do pop!




No último episódio de "When I Was 17", a cantora-atriz que virou celebridade, fala sobre o encontro com Michael Jackson, graças ao produtor Rodney Jerkins.

"Quando eu tinha 17 anos, o meu produtor Rodney Jerkins trabalhava com Michael Jackson na época. Ele sabia o quanto eu queria conhecê-lo e me perguntou:" Você gostaria de vir e conhecê-lo? " Eu gostaria, 'Você está falando sério? É claro que eu quero conhecer Michael Jackson! Onde posso encontrá-lo? Onde iremos? "

De acordo com o irmão dela, Ray J, Brandy sempre acompanhou tudo de Michael" e ela não iria deixar passar a oportunidade. Seu irmão disse que o encontro para eles foi organizado por Jerkins. Ela disse: "Meu
coração está batendo tão rápido naquele momento.
'Oh meu Deus.Ele está lá. Estamos prestes a abrir a porta e vou ve-lo." Ray J descreveu o momento que entrou na sala: "Quando nós entramos no estúdio, vimos Michael, no canto, e nós nos olhamos 'Você o viu?'"Brandy disse: "Eu
estou olhando para ele , 'Oh, meu Deus. Este é Michael Jackson",
acrescentando: "Eu desmaiei, sério... apaguei."

Para assistir ao vídeo: http://www.mtv.com/videos/news/631368/brandy-met-michael-jackson-when-she-was-17.jhtml

Fonte: MTV.com | MJMoonwalker

quarta-feira, 16 de março de 2011

You Are Not Alone: Michael Através dos Olhos de um Irmão" por Jermaine Jackson

A Harper Collins adquiriu "You Are Not Alone: Michael Através dos Olhos de um Irmão" por Jermaine Jackson, o mais detalhado relato de dentro da dinastia de música, iluminando o particular de homem, filho, irmão, pai... o Michael que o mundo não conheceu.





A Harper Collins adquiriu "You Are Not Alone: Michael Através dos Olhos de um Irmão" por Jermaine Jackson, o mais detalhado relato de dentro da dinastia de música, iluminando o particular de homem, filho, irmão, pai... o Michael que o mundo não conheceu.

Os direitos autorais, no mundo todo exceto na América do Norte, foram adquiridos por Natalie Jerome, diretora de publicação da Harper Non-Fiction, que lançará o livro no outono de 2011 (setembro), que será publicado simultaneamente nos EUA pela Simon & Schuster.

Nesta história de fraternidade, Jermaine escreve um retrato fiel e amoroso, trazendo os fãs para perto do complexo mente, coração e alma do Rei do Pop. É uma franca, mas sofisticada análise do ser humano, não da lenda, com insights reveladores e sem assunto fora de limite. O livro é escrito com uma compreensão total e definitiva de Michael.

Jermaine era um verdadeiro confidente de Michael, que o defendeu em vida, e agora defenderá sua memória na morte. You Are Not Alone é um convite para o mundo de Michael, da sua infância ao estrelato; de sua casa em Gary, Indiana a Neverland, na Califórnia; do palco para os tribunais; do Jackson 5 e Motown para uma carreira solo global e Sony. Ele analisa o verdadeiro relacionamento com Joseph e Katherine, e os diferentes personagens que cercaram o astro. Testemunhamos sua angústia durante o infame julgamento por abuso sexual contra menores, em 2005, quando Jermaine foi a sombra de seu irmão na sua pior situação, sempre declarando que ele era "1000% inocente". E nós iremos reviver as últimas semanas de sua vida, a política, os ensaios AEG, a polícia, a investigação e o julgamento do Dr. Conrad Murray. Do início ao fim, este livro é o relato de uma testemunha de dentro da história.

O resultado final é um Michael como nunca visto antes: cru, descascado, humano e desesperado para ser compreendido. O livro irá, sem dúvida alguma, alterar a forma como o mundo o vê, e humanizará alguém cuja fama o desumanizou perante o público.

Natalie Jerome diz: "Não existem muitos no mundo como Michael Jackson, mas continua existindo uma enorme quantidade de amor e um desejo de entender como foi sua vida. Como o resto do mundo, eu tinha uma percepção de quem era Michael, mas o que eu li no livro de Jermaine até agora, alterou tudo em que eu acreditava, e eu acho que os fãs de todo o mundo vão ser surpreendidos e ficarão comovidos com este livro. Jermaine aborda as questões mais difíceis e nos lembra que esta é a história de uma família. Esta é uma publicação única da vida e da equipe da Harper Collins e temos o prazer de sermos editores de Jermaine".

Jermaine Jackson disse: "Nós não queremos a vida de Michael - ou morte - seja um eterno mistério. Esta é a verdade como a conhecemos. Tenho lido muito sobre o que as pessoas pensam que sabem sobre o Michael, mas este livro é sobre o que realmente aconteceu. Espero trazer sentido das ocasiões em que o mundo exterior se esforçou para entender o mundo de meu irmão.


Ao sentar-me e partilhar minhas memórias, espero que seus milhões de fãs possam "vê-lo de novo", e que aqueles que não tenham sido tão gentis, encontrem espaço para mais compaixão. Todo mundo já disse tudo sobre Michael e a família Jackson. Eles não podem dizer mais nada. Agora é nossa vez. O julgamento iminente do Dr. Murray mistifica a morte de Michael, mas nenhum de nós quer que esse processo dê a palavra final sobre como ele será lembrado. Nós não podemos trazer nosso irmão de volta, mas podemos garantir que seu legado não seja esquecido em um livro que comemora a sua vida - e diz as coisas que ele nunca teve a chance de dizer".

Fonte: harpercollins.co.uk \ MJMoonwalker


( Maissss um, agora chegou a vez de Jermaine lançar um livro também.)

terça-feira, 15 de março de 2011

Michael Jackson e sua vinda ao Brasil em 1996: Curiosidades de um fã.


O maior colecionador de artefatos do popstar da América Latina, Leandro Lapagesse, nasceu em 1982, junto com o clássico disco Thriller. O fã é freqüentemente requisitado pela gravadora Sony e pela emissora MTV do país para esclarecer dúvidas e organizar eventos relacionados ao ídolo, e até ganhou dinheiro respondendo perguntas sobre o artista no programa Silvio Santos.

Leandro tem três tatuagens de Michael Jackson no braço direito, e pretende fazer mais uma a cada ano. Ele garante que em 2009 iria aos Estados Unidos tentar se encontrar com Michael. Ele já esteve pessoalmente com o ídolo, mas ficou tão nervoso que não conseguiu pronunciar nenhuma palavra, apenas pegar um autógrafo.








Em Copacabana

Leandro Lapagese estava com dezenas de fãs na frente do Hotel Sofitel, em Copacabana, esperando Michael Jackson aparecer para pegar um helicóptero, no Forte de Copacabana, que o levaria ao alto do Dona Marta. Um sósia do cantor despistou a maior parte das pessoas, mas o faro do colecionador fez com que ele não fosse enganado pelo alarme falso. Um minuto depois, uma van despontaria na rua, com o verdadeiro Michael Jackson com meio corpo para fora, acenando para os que passavam, incrédulos.




- Fiquei atônito! Ele é um cara enorme, e parecia um boneco de porcelana! - lembra Leandro. - Saiu da van, conversou com as pessoas e até apertou a mão do lixeiro. Eu estava com uma blusa igual a que ele havia jogado pela janela do hotel na véspera, para fãs que gritavam lá embaixo. Esse detalhe acabou sendo o meu passaporte para estar frente a frente com ele! Michael olhou para mim e achou que eu era o felizardo que havia pegado a camisa. Me aproximei, os seguranças logo barraram, mas ele mandou liberar minha passagem. Me deu um autógrafo e uma bala, que guardo até hoje. Ele disse 'I love you', como dizia para todos ali, e entrou no forte para pegar o helicóptero e partir para o morro.


No Dona Marta

Outra fã de carteirinha de Michael Jackson, a jornalista Claudia Silva bolou uma logística tão cinematográfica para estar perto do popstar no morro quanto a que ele mesmo preparou para evitar a presença da imprensa na área. Ela, que trabalhava no jornal O Globo na época, teve a missão, assim como outros repórteres, de estar na hora da filmagem. O diretor do clipe foi o cineasta Spike Lee, que proibiu a entrada da imprensa no morro.

- Eu não conhecia o Dona Marta. Fui na véspera para bolar um plano para entrar no dia seguinte. Estava calor e uma senhora perguntou se eu queria água. Entrei na casa dela e contei que eu era jornalista, e a filha dela disse que se eu quisesse, poderia ficar lá. Era uma família que estava no morro há muito tempo. Desci, liguei para o jornal dizendo que havia conseguido lugar para ficar, peguei roupa, celular, dinheiro para pagar a 'hospedagem' e fui dormir no morro - lembra Claudia Silva.

Todo mundo sabia que havia repórteres lá, e teve uma grande 'varredura'. Pessoas do próprio morro foram contratadas pelo Spike Lee para não deixar nenhum jornalista por lá. Foram batendo de porta em porta, mas a dona da casa em que Claudia estava disse que ela era uma prima. Como se tratava de uma família muito íntegra, conseguiu ficar sem levantar suspeitas.

- Fiquei num quarto pequeno. A casa estava em obras e improvisaram uma cama para mim. Ouvia o pessoal passando o tempo todo do lado de fora. Expulsaram todos os jornalistas. Coloquei um short, camiseta e um tênis e fiquei andando pelo morro, como se fosse namorada do dono da casa. Não dava medo, não era que nem hoje, mas era adrenalina pura estar ali.

Michael Jackson chegou de helicóptero no campo de pouso no alto do morro.

- Fiquei em cima da lage para ver a chegada dele. Vi quando ele desceu, sem máscara, e passou muito perto de mim, a menos de um metro. Um sósia estava sendo usado o tempo todo, mas nesse momento era ele mesmo - garante. - Fiquei nervosa. Pensei nessa hora: caraca, é o meu ídolo, eu vi o Michael Jackson!
O cantor foi para um largo com um belo visual da cidade, onde foi filmado a maior parte do vídeo.

- Fiquei entre as casas vendo a filmagem, de longe. Não tinha ninguém da imprensa além de mim. Cerca de uma hora depois, começaram a chegar fotógrafos, que conseguiram entrar, além da repórter Glória Maria, da Rede Globo. Michael desceu as escadarias e foi na associação de moradores do morro, falou com as pessoas, pegou um bebê no colo e deixou uma boa impressão. Apesar de toda a sua excentricidade, ele teve um momento muito humano, muito natural. Mesmo com o mega esquema, ele andou pelas ruelas, não fez nenhum ato do tipo 'estou com nojo, com medo de bactérias', coisas que a gente imagiaria do Michael Jackson.

A jornalista destaca como uma 'experiência maravilhosa' estar lá e ver como as pessoas se comportaram e a atitude do cantor, que esparava-se ser arrogante e cheio de frescuras. Todo mundo acordou cedo e limpou sua calçada para receber a ilustre visita. Os moradores pareciam orgulhosos de estar recebendo o popstar.

- O melhor foi que a família que me acolheu são meus amigos ate hoje. Eu nuca mais perdi essa família. Sempre mantive contato com eles desde então. Mesmo quando morei em Londres mandava cartas. Ganhei uma família de amigos, muito especial mesmo! - conclui.

No dia seguinte, Michael Jackson ainda fez compras na praça General Osório, em Ipanema, antes de voltar para casa, provavelmente levando boas recordações da experiência no Rio.



MJJ Secret Lovers 

segunda-feira, 14 de março de 2011

A origem da pulseira vermelha de Michael







Há algum tempo, recebi um e-mail de uma das seguidoras deste blog (Luísa) falando de um site que se dedica apenas às pulseiras de Michael.

Parece que são pulseiras que fãs fazem inspiradas nas pulseiras que ele usava. Estou pra comentar isso aqui faz tempo, mas sempre acabo fazendo outros posts...
A questão é a ORIGEM dessa pulseirinha.
Muita gente pensa que tem algo a ver com questões religiosas; pra ser mais exata, com a ligação de Michael com o muçulmanismo. Mas não!

Essa pulseira foi feita por fãs de Michael e entregue a ele na época que ele enfrentava o processo por pedofilia entre 2003 e 2005. Depois ele recebeu outras pulseiras de fãs também e elas, principalmente esta vermelha, se tornaram uma espécie de símbolo da inocência de Michael.

Muitos fãs passaram a usar pulseiras semelhantes e Michael nunca deixou mais de usá-las, mesmo após ser absolvido por unanimidade.
Créditos:: Michael Jackson Sempre Vivo

Por dentro de Hollywood Tonight

por Joe Vogel em 14/03/11


Michael Jackson ficou tão impressionado com a dançarina, Sofia Boutella – estrela do novo vídeo do ícone para “Hollywood Tonight” – ele estava pronto para oferecer à ela a oportunidade de uma vida: a chance de dançar com ele na séria de concertos This Is It no O2 Arena em Londres. Infelizmente, ela ainda estava sob contrato para a turnê Confessions de Madonna e não poderia sair fora. Vendo o quando Boutella estava decepcionada, Jackson virou para alguns de seus colaboradores e disse: “Eu costumava sair com Madonna. Eu deveria ligar pra ela.”

Enquanto Boutella não conseguiu estar em This Is It, ela presta uma admirável homenagem ao Rei do Pop em seu mais recente vídeo póstumo, onde encarna a história de uma jovem e ambiciosa garota tentando se fazer em Hollywood sem ser engolida por suas armadilhas e ilusões. É um conto bem desgastado, mas é realizado com muito bom gosto pelo diretor, Wayne Isham, e acendido pela energia contagiante e talento de Boutella. O vídeo também lembra – junto com os recentes tributos à MJ no American Idol e Glee – como continua profunda a influência de Jackson nas novas gerações (muitos dos quais só o ‘descobriram’ depois de sua trágica morte em 2009).

“Hollywood Tonight” é o segundo single a ser lançado do álbum póstumo de Jackson, MICHAEL (‘Behind the Mask” é o single alternativo para vários países, incluindo os Estados Unidos).
 
A canção tem uma história longa e sinuosa. Jackson primeiro fez um rascunho da letra em 1999 enquanto estava no Hotel Beverlly Hills. Logo depois, ele começou a trabalhar na música com seu amigo de longa data e colaborador, Brad Buxer (que co-escreveu a canção). A canção viajou com eles de Los Angeles até Nova York, de Miami para Neverland, durante as primeiras sessões de Invincible. Jackson e Buxer estavam colocando para fora alguns materiais marcantes naquele momento, incluindo canções como “Beautiful Girl”, “The Way You Love Me”, “Speechless”, “The Lost Children”, “Shut Up and Dance” (uma ótima faixa dançante que Jackson e Buxer trabalharam com Michael Prince e Eric Kirkland com ecos de Stevie Wonder e se aproxima de Bad, infelizmente, os vocais não estão completos) e “I Was the Loser” (uma boa e melódica faixa mid-tempo sobre um amor perdido que está praticamente terminada), entre outras. Alguns anos antes Jackson e Buxer também trabalharam em destaques artísticos como “Morphine’ e “In the Back”.

Jackson amava a parte de canto Gregoriano na abertura de “Hollywood” (idéia dele), a harmonia “westbound, greyhound”, o assobio no final – mas parou de trabalhar nela uma vez que o produtor Rodney Jerkins veio a bordo para Invincible.

Ao longo dos próximos dez anos, no entanto, ele retornou à essa faixa inúmeras vezes. Para a linha de baixo, ele estava procurando por algo similar à “Billie Jean”, mas distinto. “Faça um baixo suave em “Hollywood”, ele indicou em uma nota. Suas demos iniciais apresentavam duas linhas de baixo em camadas (Michael Prince adicionou a batida de “Billie Jean” no último mix que MJ pediu). Jackson e Brad Buxer continuaram mexendo com ela em Las Vegas em 2007. Por um tempo, ele gostou da idéia de terminá-la com o som de um ônibus saindo ou chegando. No entando ele finalmente decidiu concluir com o assobio, desde que as justaposições ficaram um pouco estranhas.
 
Em outubro de 2008, Jackson, agora morando em Los Angeles, pediu para o engenheiro de gravação Michael Prince para colocar o último mix de “Hollywood" no cd então ele poderia escutá-la e ver o que deveria ser melhorado. Infelizmente, ele nunca chegou a trabalhar nela novamente.

O novo single de “Hollywood” é mais fiel à essa última versão do que o do álbum. É claro que Jackson tinha intenção de continuar trabalhando nela, razão pela qual o Espólio e a Sony inicialmente trouxeram dois de seus colaboradores mais próximos, Theron Feemster (conhecido como Neff-U) e Teddy Riley, para tentar finalizar a canção. Feemster teve a primeira tentativa e veio com algumas misturas sólidas; a Sony ainda não sentiu que estava pronto e em seguida deu uma chance a Teddy Riley. A produção de Riley, reteve muito da demo de Michael e Brad (incluindo a introdução e o final), elementos da mixagem de Feemster (incluindo o fantástico riff funky de guitarra e os metais), adicionou um pouco mais de vigor, e se tornou a versão do álbum.

Depois do lançamento, no entando, muitos fãs manifestaram preocupações sobre a) vocais muito processados, e b) a longa bridge falada. Jackson tinha, de fato, escrito a letra para sua própria bridge, a qual era muito mais sombria do que a de Riley. A bridge de Jackson diz o seguinte:


She doesn’t even have a ticket
(Ela não tem sequer um bilhete)
She doesn’t even have a way back home
(Ela nem mesmo tem uma casa pra voltar)
She’s lost and she’s alone
(Ela está perdida e sozinha)
There’s no place for her to go
(Não existe lugar pra ela ir)
She is young and she is cold
(Ela é jovem e está com frio)
Just like her father told her so
(Assim como seu pai lhe disse)
 
Enquanto a versão de Jackson destaca a tragédia e incerteza de um sonho adiado, a bridge de Teddy Riley opta por uma solução mais positiva e arrumada. “Com essa bridge nós meio que fizemos o sucesso dela,” Riley explicou. “Ela completou sua missão.”

Riley teria sem dúvida usado a versão de Jackson com seus vocais para isso. Infelizmente, eles nunca foram gravados. Com o novo single, no entando, a Sony decidiu cortar a parte falada completamente e mostrar ao invés disso um pouco da tensão e drama intensificados que Jackson pretendia para esta seção. Eles usaram seu beatboxing, sua idéia de metais em expansão, e seus vocais operísticos (tirados de uma fita onde foram executados durante uma sessão de gravação em um quarto de hotel). Além da bridge, os vocais no novo single foram deixados não-processados e a produção é dimensionada para trás. O resultado é um single mais 'cru', funky, mas menos finalizado do que a versão do álbum.

“Hollywood Tonight”, então, passou por vários encarnações: as várias, diferentes demos que Jackson gravou com Brad Buxer e Michael Prince, desde 1999 até 2008; as duas versões que Theron Feemster trabalhou após a morte de Jackson (uma das quais é declaradamente bastante impressionante); a versão polida do álbum completada por Teddy Riley; e, claro, esse novo single. Todas são necessariamente aproximações para o que Jackson teria finalmente lançado ao finalizar de sua forma. Essa é a natureza de lançamentos póstumos. Eles sempre serão imperfeitos e sempre vão gerar intenso debate.

Mas para a maioria dos amantes da música, vamos pegar qualquer novidade de Michael Jackson que pudermos obter, não importa se são demos, novas misturas ou remixes. "Hollywood Tonight" poderia estar juntando poeira em um cofre, em vez disso, está fazendo as pessoas dançarem nas ruas.


Fonte:
http://joevogel.wordpress.com/
Créditos:: MJJ Secret Lovers
 
 

domingo, 13 de março de 2011

Karen Faye fala sobre acidente que Michael sofreu em um evento na Alemanha

por Karen Faye

Traduzido por Kevin Mendelsohn





Michael dedicou sua vida inteira dividindo o que havia de bom em seu coração a todo custo. Ele era um especialista em esconder sua própria dor para ajudar o próximo. Logo abaixo eu descrevo uma história que ilustra bem as situações que muitos da sua equipe (mesmo em "This Is It") não conseguiriam notar. Michael era constantemente desafiado e ao mesmo tempo tinha um senso de responsabilidade com sua família e fãs que o fazia querer proporcionar momentos de alegria num mundo onde a dor, problemas financeiros, a guerra e a destruição tomaram grandes proporções. É hora do show:



Em 1999, Michael estava escalado para dois concertos beneficentes que ajudariam a Cruz Vermelha, a Fundação de Ajuda às Crianças Nelson Mandela e a UNESCO: o "Michael Jackson & Friends". A equipe e os artistas responsáveis pelo evento voaram de uma primeira edição em Seul, na Coréia, para Munique, na Alemanha. Foi um vôo maravilhoso porque tivemos a oportunidade de conhecermos todos que participariam.


Chegamos ao Estádio Olímpico de Munique na tarde de 27 de Junho de 1999 para aprontar a aparição de Michael para o início do evento. Ele introduziu Andrea Bochelli naquela tarde. O sol estava se pondo, dando espaço para a noite, mudando completamente o clima da arena. Era uma tarde de verão quente. O público se entusiasmou com outros artistas naquele dia: Luther Vandross, The Kelly Brothers, Ringo Starr... mas parecia mesmo que o público queria ver o Michael.


A empolgação tomou conta do lugar. A mágica estava acontecendo. O palco foi se transformando em paredes com luzes, telões e equipamentos criados especialmente para a performance de Michael.

Michael Jackson, Michael Bush e eu (Karen Faye) usamos os últimos minutos para cuidar de detalhes de guarda-roupas à direita do palco. Checamos a lista: microfones, fios, troca de roupa, toalhas, lista de músicas, repositor de líquidos, ventiladores, maquiagem. Michael fez alongamento para aquecer. Assim que a luz tomou conta do ambiente, pude sentir a energia antecipadamente tomando conta de todos nós. Qualquer sinal do Michael aparecendo no palco criava um delírio no público... Michael se espreitava nas cortinas para ver o público. Os músicos voltaram e fizemos uma oração, unindo nossas mãos, então o show começou.

Fizemos isso por anos e eu estava assistindo à direita do palco. Fizemos as trocas de roupa. Tudo estava perfeito: o Medley... Beat It, Black Or White com Slash, Billie Jean e então os artistas locais entraram para participar de Earth Song...


Assim que a música começou a ponte apareceu, assim como ocorreu na Coréia. Aos poucos, crianças e adultos completaram o palco e Michael subiu até a ponte, dançou e bateu os pés e a ponte subiu sem os alicerces, como o previsto. Fumaça e explosões bombardiavam nossos olhos e ouvidos. A ponte foi subindo mais e mais, mas ao contrário dos ensaios e do último show, ela não parou. Ao invés disso, ela começou a cambalear e descer bruscamente e ele continuava a cantar. Comecei a gritar, mas eu não podia sequer ouvir a minha voz sobre os efeitos, da música e do público.Comecei a correr atrás do palco em pânico ao ver como a ponte desapareceu rapidamente para baixo da frente do palco, batendo diretamente no chão! O segurança me segurou e me fez parar, pensando que eu poderia estragar a performance.


Nos bastidores havia choros e gritos. Apenas a equipe sabia que havia algo errado. De onde estávamos parecia que tínhamos perdido o Michael naquele momento. Meu coração parou! Só sentia os braços de um segurança que também estava perplexo. Para as pessoas o show estava dentro do previsto. Para mim, o tempo parou! Como Michael pôde ter sobrevivido a uma queda tão brusca? Mas, finalmente, depois de alguns segundos que pareciam uma eternidade, a música e os aplausos continuaram: eu vi um braço subindo o palco, depois uma perna magra e outro braço e outra perna... ele subiu de volta. Ele foi para centro do palco finalizar Earth Song.


Eu estava de boca aberta espantada, mas aliviada. Meio atordoado, ele fez o caminho de volta para nosso lado do palco. "Michael, sente-se", disse. Ele respondeu: "Não!". Eu implorei para que o segurança o levasse para o hospital e ele dizia "Não!". Ele pegou o microfone e saiu para cantar You Are Not Alone. Não consegui acreditar no que estava vendo. Ele finalizou, agradeceu e voltou para se trocar. Em seguida, ele entrou em colapso. O segurança levou-o para o Hospital em Munique. Os músicos, os bailarinos, Slash e todos da equipe ficaram surpresos ao testemunharem o encerramento do show. Fizemos preces.

Uma vez de volta ao hotel, comecei a fazer telefonemas para ver a situação dele. Os exames não apontaram fraturas graves, mas sua coluna sofreu dano. Era um milagre. Sendo o artista que era, ele tinha que terminar. No dia seguinte fomos a Paris para uma seção de fotos, no entanto adiamos ela até que ele melhorasse. Eu aproveitei para perguntar: "porque você continuou? Não acredito que se arriscou tanto".


Ele respondeu: "Sabe, Turkle (apelido), naquele momento a única coisa que eu ouvi na minha cabeça, era a voz de meu pai dizendo para mim: 'Michael, não decepcione o público!'.

Créditos :: Rei do Pop


Blogger news

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...